4.5.12

PRAZERES INSANOS



A boca suave e quente da imortal amada, abre-se num desejo ardente de ser em beijos penetrada.
Os seios provocam, tímidos num decote profundo.
Seu “umbiguinho” desfila nu, safado e vagabundo.

Ombros curtos e desenhados suspendem o corpo esbelto e o sensual rebolado.
Logo acima do bumbum delicadamente arredondado, duas covinhas desfilam provocantes, indicam o desejo dos amantes num olhar safado.

Ela deita-se despida e selvagem, tocando o corpo com as mãos pequenas e olhar de volúpia.
As pernas se abrem e os grandes lábios tocam os lábios do seu homem. A língua do amante é falo viril.
Gemidos de prazer os levam ao êxtase eterno.
Por longo tempo os dois corpos se confundem e o suor banha o leito de amor e sexo.

A flor rosada que brota inofensiva dentre as pernas é flor carnívora que devora o caule em carne do amante.

A boca suave e quente da imortal amada, fecha-se num suspiro de satisfação profunda.
Fica o amado a velar seu repouso até que o açoite do desejo retorne.
Tortura de corpos nus com despidos delírios de prazer e gozo
Desejo insano que só pertence aos mantes que lucidamente se amam.

2 comentários:

lu disse...

senti um frio no estomago! um no na garganta!sabe quando vc assiste a um filme e se sente dentro dele aconteceu isso comigo agora.
saudadessssssssss

aca disse...

Escrever pode ser uma arte que alguns não dominam, então temos que agradecer quando lemos algo que nos prende do início ao fim e até nos faz voltar e ler novamente a história, muito bom, parabéns !!